POR ESSE DESEJO DE EDIFICAR LINGUAGENS, por Natasha Félix

No post de hoje, a coluna Interpretações do Brasil e poéticas publica um texto de Natasha Félix em que se cruzam observações sobre uma cena da poesia contemporânea e reflexões estéticas e culturais em torno da produção de imagens, políticas e poéticas da escrita, do corpo e da performance. Numa pequena nota crítica que antecede o texto, o editor da coluna Lucas van Hombeeck traça relações entre a contribuição de Natasha e outras publicações do blog, deixando ao fim uma pergunta acerca da forma pela qual o texto da artista interpela o problema dos requisitos culturais que habilitam o/a jovem a se apresentar como escritor/a, num processo histórico que vai do início do século XX até hoje.

Assine o blog para receber as atualizações, curta nossa página no Facebook e siga o nosso novo perfil no Instagram.

Boa leitura!

Nas suas observações sobre poetas negros em cena, Natasha Félix desenvolve, ao longo de treze fragmentos, o sentido de construção (“edificação”) do gesto de quebra reconhecido no trabalho de algumas de suas companheiras e companheiros de geração e em antecessores como Cuti e Carlos de Assumpção. O que se apresenta, no texto que segue, é uma positividade do ato de fragmentação de uma imagem reificada, que reduz o corpo negro à dor e ao sofrimento. As perspectivas abertas por ela, assim, se inscrevem e dão continuidade aos debates em torno da imaginação de formas de vida para além daquela exposta e “nua” diante da violência policial, como escreveu Allan Hillani neste blog, ou no sentido dos “mundos esporádicos, democracias anônimas, como as rodas culturais dos subúrbios”, nas palavras de Cláudio Medeiros e Pricila Telles nesta mesma coluna.

Dessa forma, é uma questão crítica interessante pensar de que maneira certa produção contemporânea retoma e dialoga com um projeto construtivo da poesia brasileira, cujo maior representante talvez seja o (ano passado) centenário João Cabral de Melo Neto, e seu jogo com a negatividade. Como o que se dá em “Uma faca só lâmina (ou: serventia das idéias fixas)”, um poema, à sua maneira, também sobre o desejo. Depois do “Edifício Esplendor” do século XX roído pelos ratos em Drummond (“Que século, meu Deus! – exclamaram os ratos e começaram a roer o edifício”) que inspirou toda uma geração revolucionária depois da segunda guerra e da ditadura do Estado Novo, como a da Revista Edifício (1946) em Minas Gerais, Natasha busca erguer, com colegas e antecessores, um “novo edifício”.

Em introdução ao depoimento Silviano 8 1/2, recentemente publicado no portal do projeto minas mundo, o prosador Silviano Santiago escreveu que “durante o século XX, no Brasil, o requisito cultural que habilita o jovem a se apresentar como escritor comporta três fases distintas”: no seu início, passando pelo modernismo e até a década de 1940, era a leitura dos clássicos, o contraste com as vanguardas e o pensamento social; depois, a formação pelo cinema e a aliança entre palavra e imagem (em que o próprio crítico se situa); e por fim, durante a ditadura empresarial-militar, a “experiência coletiva do espetáculo” de televisão ou na rua, de música popular. Com o texto de hoje, podemos colocar a mesma questão em relação ao século XXI. Será um novo requisito a convivência e a experimentação de relações de produção mais horizontais e colaborativas, como as que emergem dos circuitos dos slams, rodas e oficinas?

POR ESSE DESEJO DE EDIFICAR LINGUAGENS 

observações sobre poetas negros em cena

por Natasha Félix [i]

A fuga só acontece porque é impossível

Jota Mombaça

1

PARTIR JUSTAMENTE DISTO: a recusa ao se reconhecer habitante de um corpo mutilado – interceptado por silêncios coloniais, da árvore genealógica até a ordem dos dentes. encontrar outras maneiras de dar nome às coisas ao redor, à própria pele, ao gosto dos dias. porque muitos disseram e dizem ainda que não seria possível chegar a lugar algum, aqui estamos. mas, nesse corpo mutilado não. 

há outras vias. 

Stephanie Borges deu a letra: talvez precisemos de um nome para isso. Mover-se atravessado por um desejo profundo, com uma sequência de vigas firmes, de nomear o não dito e corromper qualquer tentativa de encarceramento, limitação e fim // através dessa plataforma de leitura: o corpo mesmo, à céu aberto, point para uma infinidade de personagens digladiarem-se, jogarem cartas, cuspirem no chão, se entediarem, rebolarem, fazerem festa. 

2 

a cena é a seguinte: Felipe Marinho em sua apresentação no TED Talks 2020 / entre um poema e outro, questiona a utilidade da arte em meio às políticas de morte destinadas aos corpos pretos & periféricos. como produzir diante do genocídio? 

ao seu próprio questionamento, responde:

a poética tem uma função muito importante de quebra de imagem.

Ele então fala mais um poema e deixa o palco. 

3

Performance Me finjo de cego ou me fingem mosaico, de Felipe Marinho. 

4

HABITAR O INEXPLICÁVEL. essa parece ser a ordem que dá sustentação ao desejo de performar. talvez seja sobre tomar forma e edificar novas linguagens – trazer à tona negritudes possíveis, assim mesmo, no plural. ser um corpo-hacker que se anuncia e se manifesta pela fala, pelas mãos, pelo digital. no baile, no samba, nas artes plásticas, nos beats. fazer o texto acontecer pela boca dos outros, pelo grito, pelo silêncio. 

5 

aquela afirmação de Felipe cumpre uma dupla função: situar-nos justamente no marco 0 da angústia que atravessa um corpo que sente e comunica-se coletivamente, esse corpo indissociável do seu próprio tempo, perigando à imobilidade, ao aniquilamento dos sonhos; e mira na urgência em romper com os símbolos coloniais que delimitam quem pode fazer/performar/existir, e quem só pode ocupar-se em sofrer. 

6

ME PARECE QUE QUANDO UM POETA NEGRO estabelece a pesquisa com o seu próprio corpo, há, muitas vezes, a possibilidade de quebrar com imagens pré-definidas de si e romper com a expectativa daqueles que filiam-se e se retroalimentam de imaginários excludentes. Essa quebra de imagem não acaba na ruptura, na ação de aniquilamento. Na disputa de narrativas, ela existe para dar lugar às novas possibilidades de linguagem e estender não apenas a dimensão desses corpos em cena, mas também alargar o que entendemos como o fazer poético. de novo: o corpo-hacker. mais adiante, a partir da experimentação, quando deixa-se a deus dará, refém unicamente do pulso da sua performance, há a mobilização: O Outro vê – se assemelha, repele, esbraveja, ignora. O Outro se manifesta e se faz coletivo o jogo, a linguagem e o público, indissociáveis. 

7

o poeta negro em performance é um dispositivo que se manifesta contrário ao tempo determinado e algo se dissolve no ar. 

8

AQUI, frustrar expectativas é corromper a ideia de que a performatividade e a literatura produzidas por esses corpos devem ser restringidas ao campo da dor, do trauma e da violência. 

9

Enfim, sugerir novos enigmas. 

10

PENSO nos slams como um movimento que promove o desajuste da literatura com L maiúsculo. figuras como Bell Puã, Kika Sena, Kimani e Luz Ribeiro fazem do corpo o cenário e da voz, o triunfo. é sobre pulso, o corpo em pleno estado de eletricidade. Roberta Estrela D’alva define essa competição como “um espaço autônomo onde é celebrada a palavra, a fala, e, ainda mais fundamental num mundo como o que vivemos – a escuta”. 

11

PARA LEDA MARTINS, o corpo e a voz, quando utilizados em prol da performance, seriam “portais de inscrição de saberes de várias ordens”. o corpo inscrito no texto (e vice-versa) prolonga conhecimentos, propaga a linguagem e é a partir desse movimento, embebido de cosmologias diaspóricas, que a pesquisadora vai gestar o termo “oralitura”. 

O significante oralitura, da forma como o apresento, não nos remete univocamente ao repertório de formas e procedimentos culturais da tradição verbal, mas especificamente, ao que em sua performance indica a presença de um traço residual, estilístico, mnemônico, culturalmente constituinte, inscrito na grafia do corpo em movimento e na vocalidade. (MARTINS, 2003, p. 77) 

12

podemos assumir que a fundação de novas imagens finca-se na ordem da urgência. 

o álbum Quilombo de Palavras (1997) produzido por Cuti e Carlos de Assumpção, por exemplo, é atravessado por essa premissa. em um movimento muito singular, os artistas costuram a poesia falada às paisagens sonoras e constroem um imaginário que reivindica o poder da palavra para a negritude // Assumpção anuncia em sua leitura de Protesto: “não quero ser marginal/ quero entrar em toda parte”. 

porque desejar entrar em toda parte, aqui, é também desejar não ser barrado, subestimado e interrompido.

Performance “Orvalheço” de Valeska Torres

13

Em um país onde o projeto político substancial visa a todo momento a interrupção da nossa capacidade de sonhar, viver pelo impossível pode ser uma boa estratégia para romper com a violência anunciada. As investigações dessas vozes estabelecem um vínculo como o mundo que desemboca na quebra, na transgressão. No novo edifício.

[i]

A imagem que ilustra o post é uma fotografia da poeta e slammer Kimani, por Sérgio Silva, gentilmente cedida pelo autor.

BIBLIOGRAFIA 

ESTRELA D’ALVA, Roberta. 2011. Um microfone na mão e uma ideia na cabeça – o poetry slam entra em cena. Synergies Brésil n° 9: 119-26.

MARTINS, Leda. 2003. Performances da oralitura: corpo, lugar da memória. Língua e Literatura: Limites e Fronteiras, nº 26: 63-81.

MOMBAÇA, Jota. Veio o tempo em que por todos os lados as luzes desta época foram acendidas. 

BORGES, Stephanie. Talvez precisemos de um nome para isso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s